14/06/2019 às 11:18 - Atualizado em 14/06/2019 às 11:25

Presidente e Corregedor-Geral do TJAP são recebidos pela direção da Fecomércio

Aline Medeiros

A Federação do Comércio do Estado do Amapá (Fecomercio-AP), na pessoa do seu presidente Eliezir Viterbino da Silva, recebeu comitiva composta pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá (TJAP), desembargador João Guilherme Lages, e pelo corregedor-geral do TJAP, desembargador Eduardo Contreras, na noite desta quinta-feira (13). O objetivo do encontro, que partiu de iniciativa do próprio presidente do TJAP, foi estreitar cooperação com a instituição, ali representada pelos dirigentes dos sindicatos que compõem a Federação.

O presidente João Lages enfatizou a importância que a organização tem a partir do público que representa. “São os grandes geradores de empregos e riquezas do nosso estado, inclusive financiando, por meio dos impostos, o funcionamento de todo o poder público local, contribuindo para a manutenção do Estado Democrático de Direito”, ressaltou.

“Estamos aqui para ouvir os anseios e dificuldades que muitas vezes se colocam como bloqueio ao nosso desenvolvimento e, na medida de nossas competências, encontrar caminhos possíveis, principalmente depois de termos visto noticiado nacionalmente que o Amapá tem uma das maiores taxas de desemprego do país”, relatou o desembargador Lages.

O corregedor-geral do TJAP, Eduardo Contreras, que registrou no encontro ter participado dos atos constitutivos da Fecomércio-AP, à época sob gestão do empresário José Alcolumbre, declarou empenho dele próprio e de sua equipe, com apoio da Presidência do TJAP, no sentido de aprimorar, entre outros serviços, as serventias extrajudiciais (cartórios).

“Termos planos de, em três meses, efetivar plenamente o uso de aplicativos fornecidos pelo Poder Judiciário para que cada um possa confirmar a autenticidade dos Selos Eletrônicos em documentos diversos, como procurações, por exemplo. Também estamos empenhados em realmente tornar efetiva a aplicação de uma tabela única de preços para serviços notariais/cartorários em geral”, registrou o desembargador Contreras.